Pesquisar
Close this search box.

Economia Laranja

Sumário

Sabe a importância de uma economia laranja? Inovações tecnológicas. A criatividade tem, portanto, um aspecto econômico observável na forma como contribui para o empreendedorismo, incentiva a inovação, aumenta a produtividade e promove o crescimento econômico.

A criatividade é encontrada em todas as sociedades e em todos os países – ricos ou pobres, pequenos ou grandes, avançados ou em desenvolvimento. O termo “criatividade” anda de mãos dadas com originalidade, imaginação, inspiração, engenhosidade e inventividade.

Economia laranja: uma criatividade a todo vapor

Uma das características profundas dos indivíduos é ser inventivo e expressar ideias; juntamente com o conhecimento, essas ideias formam a substância do capital intelectual.

Da mesma forma, cada sociedade possui seu estoque de capital cultural imaterial que gira em torno da identidade e dos valores de um povo.

Desde tempos imemoriais, as civilizações reconheceram isso, mas o século 21 é marcado por um crescente reconhecimento da convergência de criatividade, cultura e economia.

Como surgiu a Economia Criativa?

A emergência se deu por meio dos movimentos inusitados dos negócios nos anos 90. Ou seja, o encontro de pessoas, ideias e projetos deu origem ao capital intelectual, que é a principal matéria-prima desse mercado.

Segundo a Unesco, foi um dos setores da economia mundial que mais cresceu em pouco tempo. Entre 2002 e 2011, as exportações de bens da economia laranja aumentaram mais de 12% nos países em desenvolvimento.

De fato, a própria Unesco declarou 2021 como o Ano Internacional da Economia Criativa para o Desenvolvimento Sustentável na última Assembleia Geral das Nações Unidas.

Qual o peso da Economia Laranja no mundo?

Ainda segundo a Unesco, a economia laranja representa 3% do PIB mundial com 2,250 bilhões de dólares gerados e mais de 30 milhões de pessoas no mundo trabalhando no setor cultural.

No entanto, não é apenas a internet que mantém essa economia viva. Conheça os outros setores:

  • Artes performáticas;
  • Indústria da música;
  • Artes e audiovisual;
  • Literatura e Editoração;
  • Animação;
  • Jogos de videogame;
  • Publicidade e propaganda;
  • Rádio e televisão;
  • Moda;
  • Arquitetura;
  • Projeto;
  • Gastronomia;
  • Artes e Ofícios;
  • Cultura popular;
  • Eventos;
  •  

Essas categorias fazem parte do que chamamos de indústrias criativas.

 

Assim, se você for ao show do seu cantor favorito, será considerado um consumidor da economia laranja.

Se a pessoa cria conteúdo em vídeo para mídias sociais, seja o instagram ou TikTok, apresentando tendências de moda e influenciando seu público, também faz parte da economia criativa.

O que a economia laranja busca alcançar?

As tendências atuais no comércio criativo são favoráveis ​​aos serviços, e as nações com uma estratégia digital intensiva assumirão a liderança e transformarão a Economia Laranja em um dos principais alvos de desenvolvimento para geração de empregos e riqueza.

O acesso (virtual ou físico) é fundamental, assim como o contato entre públicos, conteúdos criativos, empreendedores e tecnologias. O acesso e o contato são catalisadores essenciais para a geração de inovação, baseada na fertilização cruzada de ideias, usos, interpretações e hábitos.

A cultura atual como um todo é tratada pela sociedade como um bem público; esta situação é muito prejudicial para os artistas e criadores porque lhes nega pelo menos dois direitos fundamentais:

O reconhecimento da sua atividade como carreira legítima e a justa compensação. Da mesma forma, nega à sociedade o tipo de progresso que artistas, criadores e toda a cadeia de valor podem oferecer.

O intercâmbio cultural e os processos econômicos que transformam conteúdos simbólicos em bens e serviços para a sociedade estão em constante evolução.

Hoje, a natureza do consumo de conteúdo é de nicho. Ao desenvolver uma Economia Laranja, é possível reduzir as divisões sociais e reunir os desfavorecidos com os privilegiados em torno de um objetivo comum.

Quem chega primeiro bebe água limpa!

Receba em primeira mão nossos conteúdos e atualizações sobre sites, marketing digital, elementor e mais!

Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Picture of Nathalia Wilke

Nathalia Wilke

Nathalia é uma profissional criativa, que ama pesquisar, escrever, conhecer as histórias dos empreendedores e negócios. Possui experiência relevante em atendimento do cliente, empreende no mercado digital desde 2017, é estrategista digital e especializou em comunicação para processos de vendas.

Ele criou um modelo de recorrência que permitiu receber mais de R$ 8.000,00 todos os meses, através da criação de sites, fazendo praticamente nada...

Para você que quer empreender através da criação de sites.

Um documento a prova de falhas para você fazer o briefing de criação de sites IDEAL para seu projeto!

Veja Também

Mínimo Produto Viável (MVP)

Você já ouviu falar sobre MVP? Esse conceito é extremamente importante para quem está pensando em começar um negócio ou até mesmo para empresas bem consolidadas, mas que querem lançar um novo produto ou mudar processos. Nem sempre acertamos de

Foco

Você sabe o que é o foco ou como ele pode ser aplicado ao design? Para explicar o foco e como ele impacta decisões é preciso analisar alguns princípios. Por exemplo, como uma pessoa entende e interpreta o que está ao seu

Plano de Comunicação

Saber como se comunicar com o seu consumidor é fato essencial para todas as empresas, e é por esse motivos que elas criam um plano de comunicação com seus clientes com tanto cuidado. Nesse artigo, vamos explicar o que é um plano de

Softskill – Pensamento Crítico

Pensamento crítico significa fazer as perguntas certas para tirar as conclusões certas. Pensadores críticos bem-sucedidos analisam informações de vários ângulos para determinar o melhor curso de ação. Não se preocupe se você não se considera um especialista em pensamento crítico (ainda).